Home > Saúde > Diferença entre leishmaniose visceral e leishmaniose tegumentar: Sintomas e tratamentos

Diferença entre leishmaniose visceral e leishmaniose tegumentar: Sintomas e tratamentos

diferença entre leishmaniose visceral e leishmaniose tegumentarA leishmaniose é uma doença crônica, não contagiosa, causada por protozoários do gênero Leishmania. Ela é transmitida através da picada de insetos que se alimentam de sangue (conhecidos como flebótomos), de animais silvestres, mas em especial dos cães domésticos, seu principal portador.

Estes pequenos insetos medem entre 2 a 3 milímetros, de cor amarelada ou acinzentada, e popularmente conhecidos como mosquito palha, tatuquira, birigui, cangalinha, asa branca, asa dura e palhinha. E quando ocorre o contágio os protozoários da doença se multiplicam nas células de defesa, e aos poucos vão se espalhando pelo corpo de adultos ou crianças.

Dentro da pessoa infectada, a leishmaniose pode se apresentar de duas maneiras, a leishmaniose tegumentar e a tegumentar visceral.

lesão

Lesão decorrente da leishmaniose tegumentar

Sintomas da leishmaniose tegumentar ou cutânea

A leishmaniose tegumentar ou cutânea é caracterizada pelo aparecimento de feridas (úlceras) na pele, e que com a evolução da doença podem aparecer nas mucosas do nariz, da boca e da garganta.

Esta manifestação da doença é conhecida como ferida brava, e seu principal sintoma é o aparecimento de uma elevação na pele, de aspecto avermelhado, geralmente 3 semanas após a picada do inseto.

Posteriormente esta elevação acaba virando uma ferida, que pode apresentar uma crosta ou até mesmo secreção com pus. Estas lesões também podem aparecer nas mucosas, formando assim feridas na região da boca e do nariz.

leishmaniose visceral

Leishmaniose visceral acomete orgãos internos

Sintomas da leishmaniose visceral

A leishmaniose visceral é uma doença que pode atacar diversos órgãos internos, de maneira sistêmica, e em especial o fígado, o baço e a medula óssea, e é mais comum em crianças até 10 anos.

Ela também é conhecida como calazar, esplenomegalia tropical e febre dundun. E seus principais sintomas são:

1. Febre irregular e prolongada;
2. Anemia;
3. Indisposição;
4. Palidez da pele e das mucosas;
5. Perda de apetite e de peso;
6. Inchaço abdominal, que são causados pelo aumento do fígado e do baço.

Em estágios mais avançados da doença outros sintomas podem aparecer, como tosse, diarreia, respiração acelerada, problemas cardíacos e circulatórios, hemorragias e infecções associadas.

transmissão diferença entre leishmaniose visceral e leishmaniose tegumentar

Diagnóstico e tratamento da leishmaniose

Assim que ocorre a suspeita da doença, é importante procurar um médico, que irá recomendar uma série de exames laboratoriais que irão diagnosticar a leishmaniose.

Com o diagnóstico em mãos o médico irá recomendar um tratamento medicamentoso a base de antimônio, além de repouso e uma boa alimentação.

Vale lembrar que é importante o diagnóstico rápido da doença, pois a evolução da doença, em especial da leishmaniose visceral, pode levar a morte.

tratamento leishmaniose

Cão com leishmaniose, antes e após dois meses de tratamento

Prevenção contra leishmaniose

Outro fator importante para combater a leishmaniose é a prevenção contra o aparecimento da doença, e esta prevenção pode ser feita com o uso destas dicas:

• Evitar a construção de moradias em regiões muito próximas de matas;
• Realizar a dedetização do imóvel assim que os agentes de saúde notificarem sobre a presença do agende causador na região;
• Aplicar repelente contra insetos na pele sempre que estiver em regiões de mata, e principalmente em locais com foco da doença;
• Usar telas protetoras nas janelas e portas, e mosquiteiros ao redor da cama, principalmente nos berços das crianças.

Outra medida que infelizmente deve ser tomada é a eliminação de cães que tenham diagnóstico positivo da leishmaniose visceral, já que eles podem transmitir a doença para o ser humano.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*